Snapchat

Oi, pessoal!!! Tudo bem? Marcella, irmã da Gabi, falando hoje por aqui! Eu fiz uma viagem encantadora no começo desse ano e vim contar um pouco sobre ela hoje… A viagem foi pra alguns lugares da Ásia e durou 33 dias! Como foram muitos lugares, prefiro separar em posts para não ficar muita coisa em um só. Falarei primeiro da última parte dela, o trabalho voluntário no Camboja.

 

Bom, eu e a família do meu namorado fechamos a viagem para Ásia e o trabalho voluntário ainda não fazia parte dela. Um casal de amigos entrou em contato comigo e o Marcelo e perguntou se a gente topava fazer o trabalho porque eles também estariam na Ásia na mesma época que nós… Dito e feito: alongamos um pouquinho mais e fomos! Esse foi o motivo pelo qual escolhemos lá… Ásia é um lugar longe da nossa casa, que podemos demorar para voltar, ainda mais na mesma época dos nossos amigos, então resolvemos aproveitar a ocasião. Lá fomos nós 4!!

FDED3111-D190-4730-A85C-7C24AAE07404

 

8F5EC360-B7F5-4EBD-90E4-A34DABE4AC66

 

Eles encontraram esse trabalho no Work Away, é um site onde você encontra diversosss tipos de trabalho, em todo canto do mundo. A variedade é imensa, mesmo, dêem uma olhada. Se você estiver querendo fazer algo assim, esse site é ótimo porque tem muitas informações super importantes lá! Ah, lá da para ver que cada trabalho voluntário funciona de um jeito, então contarei um pouco de como foi o meu mas não será necessariamente igual aos outros de lá. 😉

00E47EA2-C925-42BA-9181-621252056854

 

Nosso trabalho foi dar aulas de inglês para crianças e adolescentes, alguns eram monges e outros não. Foi em Kratie, uma cidade pequena que fica 6 horas de carro de Phnom Penh. Antes de chegarmos lá, já entramos em contato com o dono da escola, combinamos as datas e tudo certo. Até chegar, não sabíamos como seria a rotina, se a casa dele era perto da escola e tal. Sabíamos que o custo para ficar lá era de 5 dólares por dia por pessoa, o que incluía estadia (na casa dele e da família) e duas refeições diárias. Chegando, vimos que a casa era o mesmo lugar da escola das crianças menores, o que eu amei porque sempre ficava cheio de gente lá, mesmo sem ser horário de aula. O dono, Mr Rith, foi um amor todo o tempo, toda a família dele também, aliás. Além de nós tinham outros voluntários, um de cada canto do mundo. A maioria das pessoas da cidade não fala inglês, então tivemos que nos adaptar e ter sempre um Google tradutor em mãos kkk.

 

BD04999C-82D8-47D6-B216-156A43DEB6B3

 

Então a rotina era a seguinte: as aulas eram de segunda a sexta e por dia tinha uma aula para cada turma (as crianças menores lá na casa do Mr Rith e com os monges adolescentes na escola – bem perto, íamos a pé), uma antes de almoço e outra antes do jantar. No tempo que não tínhamos aula, aproveitamos para dar uma geral na escola, tanto de limpeza quanto na parte de organização do trabalho voluntário em si (mídias sociais, cronograma de datas, programação das aulas, etc). Durante as aulas, não haviam professores, eram somente nós, voluntários, então nós escolhíamos o que fazer (bem desafiadora essa parte, viu… Ser professor é uma profissão super difícil, passei a admirar ainda mais!).

 

Passamos duas semanas em Kratie… Como é muito diferente de São Paulo, onde moramos, nos dois primeiros dias foram mais de adaptação. Conhecemos ali em volta, começamos a pegar o ritmo do lugar. É uma realidade completamente diferente da nossa… Cultura completamente outra, você passa a morar com 10 pessoas que você não conhece, cada uma de uma nacionalidade diferente, manias, costumes, horários… Foi uma experiência única em todos os sentidos! Ah, valeu cada segundo! Foi maravilhoso!!! 🙂

 

612CF74B-AA7B-4633-93E0-991167709DCA

 

Eu já tinha feito trabalho voluntário antes mas não fora da minha cidade, e nenhum havia durado mais de um dia. Eu amei fazer com crianças porque a alegria e inocência delas me contagia. Tudo é motivo de sorriso lá. E não só as crianças, viu? As pessoas do Camboja, e de muitos lugares que visitei na Ásia, são muito receptivas e gentis. Eu comentei que a parte de dar aulas foi desafiadora porque as crianças não falam português (o idioma delas é Khmer) e muito pouco inglês. Então tínhamos que nos virar para prender a atenção delas e de uma forma educativa, o que não deixou de ser muito engraçado, né hahaha. Pintamos a sala, alugamos bicicleta, descobrimos passeio de barquinho para ver boto cor de rosa (que mal conseguimos ver, não tivemos sorte kkk), descobrimos um hotel que tinha mesa de ping pong, jogamos muitas partidas de baralho, enfim… Foi inesquecível, especial e único!

 

67E008A8-F38C-474A-8150-B5534D26A062

 

Em relação à alimentação, eu me dei bem lá, e nos outros lugares da Ásia que eu fui também. Eles comem muitos legumes, frutas e verduras, então foi tranquilo para mim. Eles comem bastante carne animal também, mas como eu não como carne vermelha nem frango, fiquei só nos leguminhos assados e foi tudo ótimo! Muitas saudades dos nossos pestinhas, foram duas semanas de doação e que nós acabamos aprendendo muito também… Aprendemos a dar ainda mais valor a o que temos, a ser solicito com o próximo, aprendemos costumes de outra cultura… Foi mágico! Essa foi a primeira de muitas viagens com esse propósito.

 

Para quem está pensando em fazer algo do tipo, faça!!! Não deixe para depois, vai com tudo! Não vai se arrepender! O nome do que eu fiz se chama Kratie English School, vejam lá no Work Away ou no Instagram (@kes_kratieenglishschool ). Se alguém tiver mais alguma dúvida pode me perguntar por aqui, vou amar responder!
Muitos beijos!
Marcella

Continue lendo

Banner Alekta